PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Elionaldo Bringel de Lima, Hiandra da Silva Pereira, Leonardo Gasques Trevisan Costa

Resumo


Introdução: As pessoas com e sem deficiência são importantes e constituem a sociedade em que vivemos, disto deriva a necessidade de que todas elas precisam desfrutar dos mesmos direitos e condições, como por exemplo, de acesso aos esportes. Todavia, o esporte tem seu forte potencial de conferir cidadania e empoderamento às pessoas que deles participam além de carregar consigo um poder transformador. Objetivos: Quebrar paradigmas da sociedade em relação à pessoa com deficiência; possibilitar a inclusão e integração de alunos e sociedade; despertar o respeito mútuo da sociedade para com a pessoa com deficiência, valorizar as potencialidades e individualidades da pessoa com deficiência e despertar um intercambio sócio esportivo e educativo entre as escolas municipais, estaduais e particulares da comunidade. Metodologia: A I Copa DAP de Futsal: Direitos, Necessidades e Realizações é uma das ações da Semana da Pessoa com Deficiência, do Espaço Educacional DAP, localizado no Projeto Fulgêncio, zona rural do município de Santa Maria da Boa Vista-PE. Teve participação efetiva de 17 escolas da localidade, sendo, 15 Municipais, 01 Estadual, e 01 Particular, com mais de 500 estudantes envolvidos diretamente, em jogos de futsal, apresentações culturais, danças, ginástica, capoeira e animação de torcidas. Estudantes esses, do ensino fundamental entre 06 e 14 anos e jovens e adultos com deficiências, intelectuais, auditivas, visuais e físicas. Resultados: A realização do projeto teve resultados excelentes, de curto e longo prazo. Estudantes mais motivados, valorizados, aceitos e felizes, ação pedagógica essa, foi vencedora da Etapa Estadual do Prêmio Professores do Brasil 2017 e ainda venceu a temática especial, esporte como estratégia de aprendizagem, ficando entre as 05 melhores experiências exitosas do País. Conclusão: O evento esportivo e cultural contribuiu para quebra de paradigmas diante da sociedade no que diz respeito à pessoa com deficiência, levando toda a comunidade a reflexão, potencializou as individualidades dos participantes, corroborando assim, com direito de cidadania.


Referências


Brasil, Ministério da Saúde, Coordenação de Atenção a Grupos Especiais. Programa de Atenção à Saúde da pessoa portadora de deficiência. Atenção à pessoa portadora de deficiência no Sistema Único de Saúde: planejamento e organização de serviços. Brasília: Secretaria de Assistência à Saúde; 1993.

CERVANTES, C.M.; PORRETA, D.L. Physical activity measurement among individuals with disabilities: a literature review. Adapted Physical Activity Quarterly, Champaign, v.27, p.173-90, 2010.

GOMES, Christiane Luce; ISAYAMA, Hélder Ferreira. O direito social ao lazer no Brasil. Autores Associados, 2015.

GOMES, Christiane Luce; ISAYAMA, Hélder Ferreira. O direito social ao lazer no Brasil. Autores Associados, 2015.

GORGATTI, Márcia G.; COSTA, Roberto F. Atividade Física Adaptada. Qualidade de Vida para pessoas com necessidades especiais. Barueri, SP, Manole, 2008.

Seron, BB; Arruda, GA; Greguol, M. Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Rev Bras Cienc Esporte, v.37, n.3, p.214-221, 2015.

TUBINO, Manoel. Educação Física e o Esporte do Ocidente no Século XX. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, Vol. 1, n. 2, p. 99-100. julho/dezembro, 2005.

WEINBERG, Robert S.; GOULD, Daniel. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. Porto Alegre: Artmed, 2001.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .