ARRANJOS ESPACIAIS: ÊNFASE AOS JOGOS PEDAGÓGICOS

Tatiane Sehn, Arlinde Wendling, Alexandra Rafaelli, Kurlan Frey

Resumo


Este artigo apresenta a prática do Estágio Supervisionado III- Gestão e Docência no Ensino Médio. A oficina escolhida teve como tema Arranjos Espaciais: ênfase aos jogos pedagógicos, devido as dificuldades encontradas na turma, perante os trabalhos em grupos, cooperação e compreensão dos conteúdos propostos. Tivemos como objetivo do trabalho desenvolver vivências e práticas pedagógicas em diferentes arranjos espaciais que auxiliam no processo ensino aprendizagem.  A instituição escolar a qual realizamos nosso estágio nos acolheu de forma dinâmica, atenciosa e se colocaram à disposição para o que fosse necessário durante o estágio. Utilizamos como base em nosso trabalho os autores Libâneo (1994), Hoffmann (1993), Gonçalves (2011), Freire (1996) Perrenoud. Consideramos que o estágio tenha contribuído de forma ampla para novas experiências de ensino, pessoais e profissionais uma vez que o mesmo proporcionou habilidades e competências fundamentais para a nossa caminhada acadêmica.


Referências


DOHME, Vania. Atividades lúdicas na educação: o caminho de tijolos amarelos de aprendizado. 4 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

ELIAS, Marisa Del Cioppo. Célstin Freinet: uma pedagogia de atividade e cooperação. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GANDIN, Danilo. Planejamento como prática educativa. 16.ed. São Paulo: Loyola, 2007.

GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. 15.ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

GOMES, Édula Maria Fonseca. A importância do planejamento para o sucesso escolar. Porto Nacional, 2011.

GONÇALVES, Alba Lúcia; LARCHERT, Jeanes Martins. Avaliação da

Aprendizagem. Ilhéus- BA: Editus, 2011.

HILLAL, Josephina. Relação Professor-Aluno: formação do homem consciente.

ed. São Paulo: Paulinas, 1985.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mito e Desafio uma perspectiva construtivista.

ed. Porto Alegre: Mediação, 2008.

HOFFMAN, Jussara. Avaliação da aprendizagem: mito e desafio. Porto Alegre, Revistas Educação e Realidade, 10. ed. 1993.

KIELING, Márcia Rosane. Desafios de Educar no século 21: novos paradigmas.

In: Reflexões Pedagógicas no Início do século 21. (Org): Rosilei Heck Lauschner. Passo Fundo: IMED, 2011.

KISHIMOTO; Tizuko Morchida. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2005.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. Cortez Editora: São Paulo, Coleção Magistério 2° Grau Série Formando Professor, 1994.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Primeira Constatação: a escola pratica mais exames que avaliação. São Paulo: Cortez, 2011.

MORIN, Edgar. Os setes saberes necessários a educação do futuro. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PERRENOUD, Philippe. A avaliação no espírito da excelência e do êxito escolares. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

PERRENOUD, Philippe. 10 Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SANTOS, Andréia dos. Planejamento de ensino: suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem na Escola Municipal Papa pio XII. Medianeira, 2013.

SOUZA, Eliane Alves de. Relação Professor- Aluno. Londrina, 2011.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

VOLPATO, Gildo. Jogo, brincadeira e brinquedo: usos e significados no contexto escolar familiar. Florianópolis: Cidade Futura, 2002.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .