ARQUITETURA DE BEM ESTAR: CENTRO DE TERAPIAS HOLÍSTICAS EM CHAPECÓ-SC

Luana Lemes da Silva, Andriele da Silva Panosso

Resumo


A crescente demanda na procura por terapias alternativas têm sido fator relevante na escolha de um novo estilo de vida. O atual comportamento da população tem tornado o dia a dia propenso a doenças fisiológicas, no qual muitos recorrem a medicações fortes gerando dependência. Além disso, a falta de espaços adequados para tratamentos com terapias alternativas compromete a atuação de profissionais já que a procura por parte dos pacientes para este tipo de serviço é significativa e resulta em benefícios em longo prazo. Este trabalho questiona: Como atender à crescente demanda por espaços para terapias alternativas na cidade de Chapecó? A presente pesquisa tem por objetivo principal a elaboração de um anteprojeto de Centro de Terapias Holísticas para atender a demanda e oferecer um espaço para atuação dos profissionais da área. Para atingir tal fim, utiliza-se do método cientifico indutivo, pesquisa de caráter exploratório com delineamento bibliográfico baseado em publicações de livros, jornais, revistas e material eletrônico e estudos de caso referente ao tema. Como instrumento para coleta de dados foi utilizado a entrevista de membros e profissionais da área da saúde que oferecem a prática de terapias alternativas e a observação como técnica de analise utilizada. Através da pesquisa, obteve resultados positivos, sendo de extrema importância, um novo instrumento de qualidade de vida e bem-estar para o corpo e mente da população do município de Chapecó bem como para a população dos municípios vizinhos, além de ofertar espaços para profissionais da área.


Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde inclui 10 novas práticas integrativas no SUS. Brasília, 2018. Disponível em: < http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42737-ministerio-da-saude-inclui-10-novas-praticas-integrativas-no-sus>. Acesso: 15 mar. 2018.

CHAPECÓ. Código de Obras do Município de Chapecó: Lei Complementar 546, de 22 de dezembro de 2014. Prefeitura de Chapecó. Chapecó, 2014.

CHAPECÓ. Plano Diretor de Chapecó: Lei Complementar 541, de 26 de novembro de 2014. Prefeitura Municipal de Chapecó. Chapecó, 2014.

GARIBE, Agatha. Visão holística: uma nova realidade na área da saúde. Setembro/2014. Disponível em: http://www.hmdoctors.com/2014/visao-holistica-uma-nova-realidade-na-area-da-saude. Acesso em 09 de maio de 2018.

JACONODINO, C.B. et al. A utilização de terapias alternativas por pacientes em tratamento quimioterápico. Revista UFPR Cogitare Enfermagem, Paraná, 2008. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/11953>. Acesso: 17 mar. 2018.

KOZASA, Elisa. Muitas pessoas buscam novas possibilidades de tratamento. Janeiro/2016. Disponível em: http://www.vyaestelar.com.br/post/5254/qual-a-diferenca-entre-medicina-complementar-alternativa-e-integrativa. Acesso em 09 de maio de 2018.

LIMA, I.C. et al. Terapias complementares; um projeto de extensão. Revista Conexão UEPG, Ponta Grossa, PR, 2012. Disponível em: . Acesso: 17 mar. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS, Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso: 17 mar. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n 971 Aprova a Política Nacional de Práticas integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde, 2006. Disponível em: . Acesso: 17 mar. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE: Portaria 849 de 27 de março de 2017. Disponível em: https://www.lex.com.br/legis_27357131_PORTARIA_N_849_DE_27_DE_MARCO_DE_2017.aspx. Acesso em 08 de maio de 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE: Portaria 971 de 03 de maio de 2016. Disponível em: . Acesso em 08 de maio de 2018.

National Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCAM). Disponível em: http://nccam.nih.gov/. Acesso em 09 de maio de 2018.

NEVER, L. P. Adoção do partido na arquitetura. 3º. ed. Salvador: Edufba, 2012.

OMS. Conferência Internacional sobre Atención Primaria de Salud. Alma-Ata (URSS), 06-12 de septiembre de 1978.

SILVA, L.B. et al. Terapias complementares e integrativas: conhecimento e utilização pelos docentes do curso de enfermagem de uma instituição pública. Revista de Saúde Coletiva da UEFS, Feira de Santana, BA, 2015. Disponível em: . Acesso: 17 mar. 2018.

TROVÓ, Monica Martins. SILVA, Maria Julia Paes, 2002, p. 81

VALADARES, C. Ministério da saúde inclui 10 novas práticas integrativas no SUS. Ministério da saúde, 2018. Disponível em: . Acesso: 28 abr. 2018.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.